Márcio Corrêa foi vencedor da categoria Improvisação do II Batuka! Masters – Concurso Nacional de Bateristas, em 1997. Também participa do primeiro CD Batuka!, lançado em 1998, com a faixa “Caminhando”, de sua autoria.


"O Batuka! foi para mim um desafio, no qual tive vários obstáculos que foram essenciais para a minha vida profissional atual e passada."

MÁRCIO CORRÊA


Começou a tocar aos onze anos de idade e aos dezessete ingressou como aluno do Conservatório Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos, em Tatuí, São Paulo, estudando percussão e bateria.

Participou do I Prêmio Visa de Música Instrumental, chegando a ser classificado para a semifinal. Por estudar percussão erudita, participou do II Encontro Latino Americano de Percussão, abrindo o festival com o grupo de percussão de Tatuí, no Memorial da América Latina (SP).

Em 1999, Márcio foi para Sidney, Austrália, e lá permaneceu durante dois anos, tocando e trocando experiências com músicos locais. De volta ao Brasil, teve a oportunidade de tocar com o grupo Gargântua, que trabalhava com elaborações de trilhas e composições para o cinema. Foi com este grupo que Márcio participou de um em projeto que visava a execução musical de trilhas de filme, durante a exibição do mesmo. O projeto passou por diversas unidades do SESC, inclusive as de São Paulo, Rio de Janeiro e Maceió.

Em 2003, passou a integrar a orquestra de música Instrumental Vintena Brasileira, regida pelo pianista André Marques. Em 2006, parte deste grupo participou do projeto Obra Prima. Idealizado pelo SESC, este projeto homenageou Tom Jobim e contou com as participações de Danilo Caymmi, Elza Soares, Rosas Passos, entre outros nomes da música brasileira. Em 2008, participou do SESC Instrumental SP com a Vintena Brasileira.

Recentemente, finalizou um disco de música instrumental em parceria com André Marques. Atualmente, participa dos shows de Antonio Nóbrega.