Márcio Pereira foi vencedor da categoria Técnica do IV Batuka! Masters – Concurso Nacional de Bateristas, em 1999.


"Quando me inscrevi para o Batuka! Brasil, imaginei que fosse participar de um concurso de habilidades técnicas onde o melhor sairia vencedor. Mas nas oportunidades em que estive em São Paulo, participando das etapas eliminatórias e depois na final, percebi que estava sim participando de umas das maiores confraternizações musicais que já vi.
Não apenas saí de São Paulo com a vitória na categoria Técnica, mas com uma vitória de vida, levando comigo amizades, experiências, inspiração e música, muita música.
Posso dizer com certeza que o Batuka! foi um divisor de águas na minha vida, e acho que todos nós saímos ganhado, tocando ou apenas assistindo a ele.
O Batuka! é fomento da cultura brasileira. Muito obrigado Vera e Carla."

MÁRCIO PEREIRA


Natural de Tapera (RS), iniciou sua carreira aos quatorze anos, atuando em bandas de baile, na região de Passo Fundo (RS). Autodidata, seu primeiro contato com o estudo formal da bateria foi em 1997, ao ter aulas com Kiko Freitas. Após este período, Márcio assumiu a condição de músico freelancer, tocando em diversos trabalhos e repertórios ecléticos.

Mudou-se para Balneário Camboriú (SC), em 1994, atuando na região como músico, durante anos, participando do circuito local de bares e, mais tarde, tocando com a banda Asas de Verão, que apresentava um repertório com músicas típicas da estação. Após essa experiência, retorna ao Rio Grande do Sul, tornando-se integrante do grupo Os Ferrety’s. Posteriormente, mudou-se para Curitiba (PR), onde acompanhou o compositor Ivan de Souza.

Voltou ao Rio Grande do Sul para trabalhar com uma das melhores bandas de baile da região, o grupo Itamone, de Caxias do Sul. No mesmo período,  foi convidado a integrar o grupo instrumental Pimenta do Reino. Depois da apresentação de diversos shows regionais, o Pimenta do Reino teve a oportunidade de se apresentar na Europa. Márcio Pereira, juntamente com Paulinho Cardoso (acordeom) e Richard Ferrarini (sax), desembarcou na Europa, pela primeira vez, para uma série de apresentações em jazz clubs e festivais de jazz. Por conta desta experiência, recebeu proposta para fixar residência na Itália e, em 2002, mudou-se para a cidade de Florença.

Em Florença, tocou com vários artistas, entre eles o grupo Xipaquira – Drum and Bass e Fusion com Gialuca Venier e Krishna – e o Trio Gooool – Jazz e MPB com Simone Martelli e Tommaso Montagnani. Gravou com artistas brasileiros residentes na Itália, como Edinho Queiros e Ligia Franca, Joca Costa (Fagner, Zé Ramalho) e Marquinhos Siqueira (Caetano Veloso) e Rodrigo Amaral (Art Popular e Leci Brandão).

Ministrou aulas na escola de música no Il Trillo, e realizou workshops e clínicas pela escola e pela loja de instrumentos musicais Play Drums and Percussion, de Firenze. Também escreveu seu método de bateria, o “Sviluppando il drumming con i ritmi brasiliani” (Desenvolvendo o Drumming com os Ritmos Brasileiros), método que explora os ritmos brasileiros como base para uma melhor execução da bateria, e que deve ser lançado em breve no Brasil.

De volta ao Brasil, participou do Leo Ferrarini Trio, do grupo de black music Blackup e da banda Itamone, além de acompanhar o renomado cantor e compositor Mozer de Oliveira, juntamente com os integrantes do Leo Ferrarini Trio.

No âmbito didático, além de aulas particulares e em escola, e do breve lançamento do seu método, faz parte do corpo docente da primeira escola virtual de música do Brasil.

Recentemente, gravou o CD Batedo com o Leo Ferrarini Trio, já considerado por público e crítica como melhor lançamento de música instrumental proveniente de Caxias do Sul e um dos mais importantes trabalhos neste segmento em todo o Rio Grande do Sul. Batedo conta com participações de Rafa Schuller e do acordeonista Oscar dos Reis.

Seu trabalho como músico lhe rendeu o patrocínio de uma marca de baquetas, modelo assinatura, assim como de sapatos próprios para bateristas tambores custom.

Atualmente, toca com Quartettari, Daniel Rion Trio, Vika Barcellos e Fernando Corona, Edinho Queirós e Marcos e Belutti. Também vem desenvolvendo um projeto de música instrumental com Bruno Repsold.